sábado, 9 de maio de 2009


Mito da Caverna - Platão

Imaginemos uma caverna subterrânea onde, desde a infância, geração após geração, seres humanos estão aprisionados. Suas pernas e seus pescoços estão algemados de tal modo que são forçados a permanecer sempre no mesmo lugar e a olhar apenas para a frente, não podendo girar a cabeça nem para trás nem para os lados. A entrada da caverna permite que alguma luz exterior ali penetre, de modo que se possa, na semi-obscuridade, enxergar o que se passa no interior. A luz que ali entra provém de uma imensa e alta fogueira externa. Entre ela e os prisioneiros - no exterior, portanto - há um caminho ascendente ao longo do qual foi erguida uma mureta, como se fosse a parte fronteira de um palco de marionetes. Ao longo dessa mureta-palco, homens transportam estatuetas de todo tipo, com figuras de seres humanos, animais e todas as coisas. Por causa da luz da fogueira e da posição ocupada por ela, os prisioneiros enxergam na parede do fundo da caverna as sombras das estatuetas transportadas, mas sem poderem ver as próprias estatuetas, nem os homens que as transportam. Como jamais viram outra coisa, os prisioneiros imaginam que as sombras vistas são as próprias coisas. Ou seja, não podem saber que são sombras, nem podem saber que são imagens (estatuetas de coisas), nem que há outros seres humanos reais fora da caverna. Também não podem saber que enxergam porque há a fogueira e a luz no exterior e imaginam que toda a luminosidade possível é a que reina na caverna. Que aconteceria, indaga Platão, se alguém libertasse os prisioneiros? Que faria um prisioneiro libertado? Em primeiro lugar, olharia toda a caverna, veria os outros seres humanos, a mureta, as estatuetas e a fogueira. Embora dolorido pelos anos de imobilidade, começaria a caminhar, dirigindo-se à entrada da caverna e, deparando com o caminho ascendente, nele adentraria. Num primeiro momento, ficaria completamente cego, pois a fogueira na verdade é a luz do sol, e ele ficaria inteiramente ofuscado por ela. Depois, acostumando-se com a claridade, veria os homens que transportam as estatuetas e, prosseguindo no caminho, enxergaria as próprias coisas, descobrindo que, durante toda sua vida, não vira senão sombras de imagens (as sombras das estatuetas projetadas no fundo da caverna) e que somente agora está contemplando a própria realidade. Libertado e conhecedor do mundo, o priosioneiro regressaria à caverna, ficaria desnorteado pela escuridão, contaria aos outros o que viu e tentaria libertá-los. Que lhe aconteceria nesse retorno? Os demais prisioneiros zombariam dele, não acreditariam em suas palavras e, se não conseguissem silenciá-lo com suas caçoadas, tentariam fazê-lo espancando-o e, se mesmo assim, ele teimasse em afirmar o que viu e os convidasse a sair da caverna, certamente acabariam por matá-lo.

Extraído do livro "Convite à Filosofia" de Marilena Chaui.


Pra você que agora conhece a parábola da caverna, o que substituiria a caverna hoje?

26 comentários:

Lady T disse...

Eu conheço essa teoria de Platão!!
è muito boa, tem muito nexo msm!
Parabéns pelo blog!
È um blog inteligente( o que é dificil de achar!)
Parabéns mesmo pelo blog!
Beijos!!

http://king-of-notebook.blogspot.com

Anônimo disse...

parabens mais uma vez pelo blog

visite o meu quando puder
http://fiqueplugado.blogspot.com/

Giancarlo Zer0 disse...

"Pra você que agora conhece a parábola da caverna, o que substituiria a caverna hoje?" - Na ficção, a Matrix (^^). Na vida real, toda a ilusão que os políticos corruptos exercem nas massas.

Eu já conhecia em parte esse mito também. Parabéns pela escolha do tema pra este post Lu. Seu blog tá muito bom.

Bjo!

Luccannus - Jesum Christum est semper! disse...

Só não entendi porque você usou a obra "Convite à Filosofia", ao invés de "A República", do próprio Platão, onde a Alegoria da Caverna está inserida (no sétimo livro, se não me engano).
.
A "teoria" de Platão não é uma "teoria", é uma Alegoria que visa exprimir a relação ignorância-sapiência. O Sol é a Sabedoria, o homem que chegou lá fora é o sábio; os que permanecem nas sombras são os ignorantes.
.
.
Respondendo sua pergunta: a Caverna atual, além de continuar sendo a ignorância, creio ser também o fanatismo, de qualquer tipo, religioso ou científico, político ou sei lá mais o que.
.
.
.
Beijo. Fique com Deus, na Paz.

LUCAS (RATO) disse...

MUUUUUUITO BOM O BLOG, PARABÉNS

Deyvid . disse...

Luciene gostei do seu blog...

Muito bacana o trecho do livro!!

bjuuu..

http://lucideznua.blogspot.com

Fernanda Sant' Anna Teglas disse...

brigada.

não dá, é css e toda vez que eu tento alterar dá erro de fechamento ¬¬

Bjs

... disse...

TENSO

=D

Inez disse...

Excelente texto.
Hoje a caverna é substituída pelos polítcos corruptos e suas mentiras.

Metanergistas disse...

Já li sobre isso! Gosto bastante de filosofia.
Gostei do seu blog =)

Abraços.
---------------
http://metanergistas.no-ip.org

Giovanna Bauer disse...

A televisão representa a caverna atualmente...

Nayara disse...

Já tinha ouvido falar desta teoria!!
Otimo post!
bj

carolziinha disse...

Amei o blog
vi na comunidade
conheço o mito da caverna,
ele se refere ao mundo em que vivemos
independente do séc, milênio...
Esse mundo em que vivemos é o mundo imperfeito, os somos imperfeitos
Estamos vulneráveis as tentações..

Comenta no meu
http://ettbmtemblog.blogspot.com/

Mr. Thinker disse...

Muito bom o blog, nunca fui muito fã de filosofia mas gostei da forma que vc abordou o tema
Vi seu blog no orkut
bjos

Mateus Andrade disse...

Paarbéns pelo blog

Wendy disse...

Gosto bastante dessa história da caverna e apesar de ter cido escrita a séculos atras cabe perfeitamente nos dias de hoje. Concordo com as palavras do moço lá em cima, a caverna de hoje é o fato de algumas pessoas por ignorância, fecham os olhos para as coisas claras e preferem crer nos absurdos que tem por aí... O íncrivel é que isso ainda acontece em pleno Séc XXI

*Amei o blog, é bom ver coisas intelegentes! =*

Wendy disse...

*inteligentes =P

Boninha disse...

Adorei o blog, eu adoro filosofia!

Caroline Toní disse...

Nossa, eu li esse texto ainda semana passada!Comprei uma revista sobre platão também!Adoro!Adorei este blog!

Andréa Mota disse...

Parabéns pela reflexão.
Respondendo a pergunta (nao sei se era pra responder), a caverna de hoje poderia ser a televisão.

As crianças de hoje crescem diante dela. Seu sucessivo e sedutor calhão de imagens lapida o olhar das pessoas. logicamente, não falo de influência. Não acredito nisso. Somos seres multi e temos pés, mãos e história para nos desprender disso.

Entretanto, vejo tudo por imagens. Imagens editadas, tratadas, queremos photoshop em tudo. Além dos padrões de comportamento, de moral. Somos a televisão e a televisão somos nós.

No dia em que ela não fosse mais o centro, o que aconteceria? =D

Parabéns pelo blog, moça. Precisamos mais desses.

Marina disse...

Eu não acho que a caverna seja a ideologia de massa, dos políticos corruptos, das grandes empresas e meios detentores de poder. Eles apenas se aproveitam da caverna na qual também estão inseridos.
Na realidade, não há um ser humano que consiga sair da caverna. Ele está intrinseco a ela. A caverna é o pensar lingüístico ao qual estamos presos. Para sair da caverna, o ser humano precisaria se libertar das limitações psiquicas.

Marina disse...

coloquei um post no meu blog de comentários sobre esse seu post aqui
http://nossoscomentarios.blogspot.com/

BLUESPEED disse...

Muito bom o seu blog Luciene. Gostei da abordagem do texto, já havia analisado ele anteriormente.

Não pude postar antes, mas agora consegui (mesmo pestiado).

vinicius disse...

coloquei um post bota no meu tbm http://vinne95.wordpress.com/

vlw pwla atençao

Jairo disse...

Muito bom seu blog
http://jairojuniorjampa.blogspot.com

mafia171.com.br disse...

Acho que nossas casas mesmo, de tantas grades, muros, mais parece que estamos presos em uma caverna abaixo da terra.